terça-feira, 22 de setembro de 2009



A primavera, a frustração do Pererê e do Tininim e a lição do Geraldinho (ou do Alan?).


Dia 22 de setembro, 2009. Termino minha leitura devocional e entro na Internet para ver as notícias. Sou informado que a primavera começa hoje, às 18h18min. Chega-me email de minha amiga Dra. Kátia Nichele, sobre a primavera. Respondo-a e caio nas minhas lucubrações (sempre quis dizer que lucubro! E às vezes sou lúgubre.).
Citei-lhe uma música que se cantava no Rio, na minha adolescência: “O Rio amanheceu cantando, Toda a cidade amanheceu em flor, Os namorados descem a rua em bando, Porque a primavera é a estação do amor”. Comento que o Rio não amanhece cantando, a cidade não amanhece em flor, namorados não andam em bando e qualquer estação é propícia ao amor. E aí mostro toda a minha erudição. Cito uma grande obra literária, o Pererê, do Ziraldo. Foi um gibi que saiu primeiro quando eu era adolescente, e depois quando moço. Tenho a coleção inteira do Pererê. Ziraldo não tem, e até quis comprar!
Numa das histórias, Pererê, o simpático saci, e seu amigo Tininim, um índio hipocondríaco, saem em busca de uma flor para suas namoradas, Boneca de Piche e Tuiuiú, respectivamente. Cada um por um lado, e não encontram. Por fim, no alto de um morrinho, uma flor. Saci e Tininim vão, um de cada lado, e pegam a flor juntos. Acabam brigando, a flor é destruída, e ficam sem presente de primavera para a namorada. Aparece outro personagem, que agora fiquei em dúvida. Os gibis estão guardados em uma caixa e não estou disposto a abri-la. Não sei se foi o Geraldinho, um coelho esperto, ou o Alan, um macaco músico. Com uma braçada de flores. E vende uma para cada namorado levar para sua amada.
Pererê pergunta onde ele encontrou as flores, e ele diz: “Plantei”. Se foi Geraldinho ou Alan, não sei, mas aprendi, desde a adolescência, que as flores devem ser plantadas. Muita gente as procura para embelezar sua vida, e espera encontrá-las acidentalmente. Elas embelezam e perfumam, mas devem ser plantadas. Quem as planta, tem. Quem procura, pode ser que encontre pode ser que não. O mais certo é plantar.
Há gente procurando beleza para sua vida. Buscando perfume. Espera encontrar sem ter plantado. Temos o que plantamos. “Pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7) não tem a exclusividade de uso para má semeadura. Também tem para a boa semeadura. Independente de ser primavera, semeie coisas boas. Não espere encontrar flores em sua vida, acidentalmente. Plante-as. É pouco provável que se plantar a perfumadíssima dama da noite você colherá pepino.
Sua vida não é sucessão de fatos desconexos, sem ligação, e de acidentes. Muito do que nos sucede foge ao nosso controle, mas muito do que colhemos é o que plantamos. Por isso, faça sua primavera. Plante suas flores. Você as colherá. E embelezará e perfumará sua própria vida.


Isaltino Gomes Coelho Filho

2 comentários:

Samira Tavares disse...

Adorei o texto!

Danilo Fernandes disse...

Ola Pastor Renato!


Queria convidar você para conhecer o meu blog, o Genizah que horas é pirado e engraçado, horas é exaltado e sério, mas é super do bem e tem como regra levar o Evangelho da Liberdade Verdadeira e a Santa Subversão de Jesus ao mundo egocêntrico e perdido nos seus valores! E, ainda dando tempo, aproveito para tirar uma onda com este pessoal que anda explorando a fé das pessoas e ainda dizendo que são cristãos... Ops!

Por minha vez, já me tornei seu seguidor.

Abraços em Cristo e Paz!

Danilo

http://www.genizahvirtual.com/